Antes que Eles crescam





 Há um período em que os pais vão ficando órfãos dos seus próprios filhos.
 É que as crianças crescem independentes de nós, como árvores tagarelas e pássaros estabanados. Crescem sem pedir licença à vida.

 Crescem com uma estridência alegre e, às vezes, com alardeada arrogância.Mas não crescem todos os dias de igual maneira. Crescem de repente.

 Um dia sentam-se perto de você no terraço e dizem uma frase com tal maturidade que você sente que não pode mais trocar as fraldas daquela criatura.

 Onde é que andou crescendo aquela danadinha que você não percebeu?
 Cadê a pazinha de brincar na areia, as festinhas de
 aniversário com palhaços e o primeiro uniforme do Maternal?

 A criança está crescendo num ritual de obediência orgânica e desobediência civil. E você está agora ali, na porta da discoteca, esperando que ela não apenas cresça, mas apareça!

 Ali estão muitos pais ao volante, esperando que eles saiam esfuziantes sobre patins e cabelos longos, soltos. Entre hambúrgueres e refrigerantes nas esquinas, lá estão nossos filhos com o uniforme de sua geração: incômodas mochilas da moda nos ombros.

 Ali estamos, com os cabelos esbranquiçados.
 Esses são os filhos que conseguimos gerar e amar, apesar dos golpes dos ventos, das colheitas,das notícias, e da ditadura das horas.

 E eles crescem meio amestrados, observando e aprendendo com nossos acertos e erros. Principalmente com os erros que esperamos que não repitam.

 Há um período em que os pais vão ficando um pouco órfãos dos próprios filhos. Não mais os pegaremos nas portas das discotecas e das festas.
 Passou o tempo do ballet, do inglês, da natação e do judô.

 Saíram do banco de trás e passaram para o volante de suas próprias vidas.
 Deveríamos ter ido mais à cama deles ao anoitecer para ouvir sua alma respirando conversas e confidências entre os lençóis da infância, e os
 adolescentes cobertores daquele quarto cheio de adesivos, pôsteres, agendas coloridas e discos ensurdecedores.

 Não os levamos suficientemente ao Playcenter, ao Shopping, não lhes demos suficientes hambúrgueres e cocas, não lhes compramos todos os sorvetes e roupas que gostaríamos de ter comprado.
 Eles cresceram sem que esgotássemos neles todo o nosso afeto.

 No princípio subiam a serra ou iam à casa de praia entre embrulhos, bolachas, engarrafamentos, natais, páscoas, piscina e amiguinhos.

 Sim, havia as brigas dentro do carro, a disputa pela janela, os pedidos de chicletes e cantorias sem fim. Depois chegou o tempo em que viajar com os pais começou a ser um esforço, um sofrimento, pois era
 impossível deixar a turma e os primeiros namorados.

 Os pais ficaram exilados dos filhos. Tinham a solidão que sempre desejaram, mas, de repente, morriam de saudades daquelas "pestes".

 Chega o momento em que só nos resta ficar de longe torcendo e rezando muito (nessa hora, se a gente tinha desaprendido, reaprende a rezar) para que eles acertem nas escolhas em busca de felicidade.

 E que a conquistem do modo mais completo possível.
 O jeito é esperar: qualquer hora podem nos dar netos. O neto é a hora do carinho ocioso e estocado, não exercido nos próprios filhos e que não pode morrer conosco.
 Por isso os avós são tão desmesurados e distribuem tão incontrolável carinho.

 Os netos são a última oportunidade de reeditar o nosso afeto. Por isso é necessário fazer
 alguma coisa a mais, antes que eles cresçam.

 "Aprendemos a ser filhos depois que somos pais. Só aprendemos a ser pais depois que somos avós..."

 (Affonso Romano de Sant'Anna)





 Em meio a proximidade do casamento da minha filha, achei essa mensagem linda. O tempo passa muito rápido, os nossos filhos crescem, e um dia formam uma família, um motivo de alegria, de dever cumprido e a nítida sensação que temos que dar asas para nosso filhos um dia voarem, e raízes para saberem que sempre podem voltar.



 TE AMO POR TODA A VIDA


EXCELENTE DOMINGO E ÓTIMA SEMANA A TODOS!!

19 comentários:

tatiane postou o comentário número:

Que mensagem linda, Josy! Me levou às lágrimas aqui, enquanto amamento minha bebê de dois meses - e mesmo tão novinha já percebi que o tempo passa rápido demais!
Desejo toda à felicidade pra sua filha na nova etapa de vida!
Bjs

Ju postou o comentário número:

Oi Josy
Primeiro, me perdoe por demorar tanto a passar por aqui e agradecer sua carinhosa e doce visita ao meu cantinho! Fiquei muito, muito feliz.
Eu simplesmente li esse texto do Affonso emocionada... Gosto muito do que ele escreve. Não tenho filhos, mas pude e posso vivenciar as experiências dos parentes e dos amigos. E é bem assim, como fala o texto tão bem escrito!
E uma coisa que aprendi nessas vivências é que para os pais, os filhos são sempre motivo de preocupação, não importa a idade que tenham!
Sua menina é linda e desejo que ela seja muito feliz na nova fase de vida que se aproxima.
Beijo e um lindo domingo!
Ju

Guloso e Saudável postou o comentário número:

Olá Josy,
Entendi a linda mensagem, os meus bebés também já chegaram à faze adulta e embora muitas vezes (com o casamento) aumentemos nossa família com mais um filho ou filha adotados, o sentimento de vazio fica...
Bom domingo, beijo,
Vânia

Andréa postou o comentário número:

Boa tarde minha amiga!
Texto lindo e verdadeiro, bela escolha!
É verdade, um dia os pais ficam órfãs dos filhos, eles tem que bater as asas p/ voarem.
Amei as fotos da Dany, ela tem um corpo maravilhoso!

Bjs, bom final de domingo!

Sadhia Hage postou o comentário número:

minha amiga que lindo ..voce disse tudo sabe esta mensagem me faz lembrar do amor de mãe ..de papai né verdade :? os filhos crescem mesmo ...voam...sabe por isso que faço de tudo para manter minha união com os meus meninos sei que não estou criando eles para mim ..mas para a vida ...amar eles como se não ouvesse amanha ..este é o meu lema ...amei amada sua filhota é linda ..parabens bjus doces

Simone Felic postou o comentário número:

É triste perde-los , mas eles sempre voltam para nos visitar , e ainda
futuramente com netinhos para agraciar nossas vidas.

bjs

http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

São Ribeiro postou o comentário número:

Gostei muito , é verdade eles crescem tão rapido.
AS vezes olho para o meu filhote já com 16 anos e mais alto que eu e penso ,o meu menino esta um homem ...
Bjs

Léia postou o comentário número:

Boa tarde minha flor.O tempo passa muito rápido, quando nos damos conta ja estamos envelhecidas e eles grandes e donos da própria vida.
Infelizmente todas nós passaremos por isso.Passei pra te desejar uma semana iluminada.Beijos.

SarinhaT - No Conforto da Minha Cozinha postou o comentário número:

Josy que linda esta postagem! :)
Me emocionei...
Deixei a casa da minha mãe à um ano e meio e foi dificil mas ao mesmo tempo bom! :)
Beijinhos*

Cristina postou o comentário número:

Texto maravilhoso Josy, fui lendo e emocionada fiquei pensando em meu próprio filho no quarto ao lado, sem falar na verdade que diz que só aprendemos a ser filhos qdo somos pais!Éh, o meu já bate as asas, em breve começa a voar!Parabéns pela linda filhota!
Uma excelente semana p vc!!

Marta Bernardes postou o comentário número:

Chorei em ler a mensagem Josy, apesar de ter um bebê de apenas cinco meses sei que breve ele partirá para sua própria vida, que injusto!! Mas temos que fazer o melhor para eles!
bjss

Sileni Machado postou o comentário número:

Que lindo post, amiga! Mt emocionante! Parabéns pela linda filhota que logo logo irá construir uma nova família! Que Deus abençoe a tds vcs! =)
Bjs, fique com Deus! ♥
www.viveraprendendo.com

Blog do Chocolate postou o comentário número:

Muito belo exte texto, querida amiga, sinto precisamente isso com a minha Filipa, uma linda adolescente de 17 anos que me "foge" por entre os dedos sem que eu dê por isso... :)

Lindas fotos da sua filhota, não sabia que ela ia casar, espero por notícias suas a esse respeito ! :)

Um grande beijo, minha mãezinha do coração ! :)

Anônimo postou o comentário número:

Oi mãe...
Vc quer me fazer chorar é?
rsrsrsrs

Te amo muito também. Muito obrigada pelo texto, e pelas palavras.

O que sou hoje... é graças a vc. A todo amor, carinho, bronca, palmadas na bunda... que vc deu para o meu melhor.
Te amo.

Vicentina postou o comentário número:

Linda postagem amiga Josy, lindo texto, e linda sua filha.
Deus abençoe muito a nova família que está pra ser formada.
Isto é AMOR.
Me emocionei acredita?
Bjs

Cozinha de Mulher postou o comentário número:

Mãezinha linda.. enfim consegui parar para ler tudo o que perdi esses últimos dias..
E já comecei morrendo de chorar aqui..
Enquanto lia, pude reviver esses primeiros quase 18 anos em que sou mãe..
Esse texto é lindo e muito verdadeiro..

Um momento em que me senti muito tocada foi quando li que aprendemos a ser filhos, depois que somos pais.. e isso é a mais pura realidade..

Eles crescem né? Em uma velocidade assustadora..
Eu me lembro da Ágatha com chuquinha no cabelo, linda.. com a lancheirinha da Barbie, em seu 1° dia de aula no maternal.. e hoje minha princesa já está trabalhando.. escrevendo sua própria história..
Fico imaginando que daqui uns dias as asas estarão enormes, e então vai chegar a hora do voo.
Mas espero que nesse dia eu sinta que tudo valeu a pena, e que eu tenha passado pra ela tudo o que julguei ser importante..

Como mãe tentamos dar o melhor pra eles, mesmo sabendo que muitas vezes também erramos, mas mão não vem com manual de instrução né? Aprendemos na garra... no dia-a-dia.. com nossos próprios filhos..

Amei.. simplesmente amei esse texto, e vou levá-lo comigo..

Um beijo minha linda.. e beijos carinhosos na Dani.. que Deus possa estar a frente da vida dela a cada minuto.. fazendo com que ela seja muito.. muito feliz sempre!!

Um super beijo da filhota do coração!

pamiki postou o comentário número:

Oi, é a primeira vez que entro no blog, e me deparo com tão linda e verdadeira mensagem.
Sinto-me exatamente nesta situação!!!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...